MEDO, A EMOÇÃO QUE PARALISA

O medo é uma emoção que paralisa. Algumas pessoas são conscientes dos seus medos, outras não. Ou ele paralisa você, ou serve para você se preparar para uma situação específica. 

O importante é que esses momentos podem ser percebidos antecipadamente e você pode usar seus medos a seu favor.

Quando estamos aterrorizados, o nosso organismo congela. O animal amedrontado, na selva, deixa-se apanhar pelo outro e acaba morto. A criança amedrontada – pelos pais ou cuidadores, que diante dela são grandes e fortes – sem escapatória, faz algo para escapar do seu estado de paralisia. Contrai seus músculos do maxilar, do abdômem, e vive em estado de tensão.

O medo aparece em nosso corpo na contração do maxilar, nos ombros erguidos, nos olhos arregalados, e na rigidez do corpo. Durante o medo, há uma uma diminuição do volume de ar que inspiramos, uma sensação de sufocamento, aperto no peito, nervosismo e ansiedade.

Em nossa cultura hiperativa, pais superestressados, superocupados e em conflitos conjugais, acabam por produzir colapsos mentais e emocionais em seus filhos. Não gritam com seus colegas de trabalho, mas gritam com os filhos. Ou ao contrário. Há uma dissociação de postura quando muda o ambiente. Beira a esquizofrenia.

As crianças fogem para seus quartos diante de pais insensíveis. Para sobreviverem, precisam se “comportar”, fica rígidas, o que permite a elas preservarem sua integridade. Essa rigidez torna-se um estado de sobrevivência da criança. São graves feridas que permeiam sua vida adulta.

Funcionários de empresas que voltam para casa angustiados e com uma sensação que aperta o plexo solar. O medo está enjaulado em seu próprio peito e não sabem que estão sentindo medo.

Para sair do medo é necessário antes ficar consciente dele, fazer amizade com ele, aceitar a emoção, sentir. Sentir de verdade. Quando conseguimos dar esse passo, temos a possibilidade de agir e fazer uso positivo de nossas emoções, e não ficar refém delas.

Se você sabe o que te gera medo, pode te preparar para enfrentar a situação. Se não souberes, congelará diante da vida. Renato Morais

Quando eu era criança, um cachorro meu foi morto envenenado. Por muito tempo tive medo de ter outro cachorro porque alguém poderia matá-lo de novo. Embora já tenha superado esse medo, a lembrança sempre vem. Ao ajudar as pessoas a se libertarem de seus medos, observo o impacto transformador que acontece em suas vidas, vejo frequentemente olhos que antes estavam esbugalhados em rostos pálidos e corpos sem vida tornarem-se corados, vibrantes e cheios de energia.

Pessoas que “quebram” empresas tem medo de ter outra empresa. Casais que separam não conseguem se abrir para o amor novamente com medo de se machucar ou ser traído de novo. Medos não acessados e que permeiam a vida adulta.

Pessoas com medo são passivas, não conseguem colocar limites, com a voz fraca ou para dentro, cabeça cabisbaixa, contraem a garganta para falar, estrangulam o som ou soltam um som infantil em função da restrição de ar que passa pelas cordas vocais.

Tornam-se indivíduos inibidos; sábios; donos da verdade; pessoas que erguem o queixo e elevam o peito; pessoas que jogam toda sua energia no trabalho sem conseguir ter lazer e divertir-se; pessoas controladoras, agressivas ou reativas; corpos sem tônus, flácidos. Ou ainda, mulheres e homens durões e não vulneráveis.

O nosso corpo muda, nossa voz muda, nossos olhos mudam, nós mudamos fisicamente, emocionalmente, energeticamente, tudo por medo.

Nosso maior medo é o medo de sentir medo. Renato Morais

Para ajudar você a lidar com os seus medos eu escrevi o ebook “Emoções, entre ou fique refém delas”, além de baixar gratuitamente você poderá entender mais sobre emoções e identificar como usar elas a seu favor. Baixe em http://www.pernasparafelicidade.com.br/.

Bom, eu não sei, mas imagino que se você leu até aqui este texto, talvez esteja agora imaginando as situações em que o medo aparece em sua vida e como você lida com essa emoção básica tão importante.

Parabéns pela coragem!

No final das contas, o nosso maior medo é o medo de sentir medo. Já pensou nisso?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *